sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Mirante Cultural no mês da consciência negra






BASTA DE VIOLÊNCIA CONTRA O POVO!!!
BASTA DE ASSASSINATOS NA PERIFERIA!!!

VIVA ZUMBI!! VIVA DANDARA!!!!

Abraçando a bandeira de luta em defesa do povo preto e das minorias excluídas que (são maioria) e constrói as riquezas desse pais o Cepa Quilombo estará realizando na próxima sexta-feira, dia 28/11/2014. ás 19 horas, no Quilombo Jacintinho o Projeto Mirante Cultural "Um Quilombo Chamado Jacintinho".

O evento contará com a apresentação de vários da cultura afro brasileira encerando a edição do projeto Mirante Cultural esse ano. O Projeto Mirante cultural acontece há seis anos consecutivos anos e surgiu da intenção de trazer para o bairro uma ação político cultural de identidade e pertencimento do povo afro alagoano.

Queremos agradecer aos amigos, parceiros e os grupos culturia que abraçam o projeto e conosco constrói para a fomento a cultura negra nessa cidade!!

O Mirante Cultural tem como parceiros:

Museu Comunitário Cultura Periférica
Fundação de Ação Cultural de Maceió
Lan House Lan Park Brasil

CONTATOS:

www.cepaquilombo.blogspot.com 

www.museuculturaperiferica.blogspot.com

Sirlene Gomes (082) 8815-6148 sirlenecapoeira@gmail.com
Viviane Rodrigues (082) 8843-9311 / vi_magnifica@hotmail.com
Lucival Salgueiro (082) 8823-9402
guerissolouco@gmail.com

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Alagoanos recebem Medalha do Mérito Legislativo na Câmara Federal

O deputado federal Maurício Quintella homenageou dois alagoanos nesta quarta-feira (26/11) com a Medalha do Mérito Legislativo. Indicados por Quintella, Arísia Barros e Walter Pitombo Laranjeiras receberam menção honrosa do parlamento brasileiro por prestarem serviços relevantes ao País.

A professora Arísia Barros é a primeira mulher negra alagoana a receber a este prêmio. Ela coordena o Projeto Raízes de África, que representa o movimento social negro. O programa tem entre seus objetivos mobilizar, articular e gerir ações de transformação social para inclusão e promoção da cidadania.

Já Walter Pitombo Laranjeiras, mais conhecido como Toroca, é presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Campeão olímpico e mundial, presidiu a Federação Alagoana de Vôlei por mais de 30 anos, além de contabilizar oito mandatos como vereador por Maceió e um como deputado estadual.

A solenidade de entrega da Medalha do Mérito Legislativo foi realizada esta manhã, no Salão Negro do Congresso Nacional em Brasília.

Fonte: Assessoria

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Museu Théo Brandão sedia 2º Festival de Fotografias e Filmes Etnográficos

O 2º Festival Théo Brandão de Fotografias e Filmes Etnográficos: Expressões afro-brasileiras vai acontecer em três dias de programação gratuita, que começa na próxima quarta, 26, e segue até a sexta, 28, na sede do Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore (MTB), localizada na Avenida da Paz. A programação inclui mostras de filmes/fotografias, debates relacionados à cultura afro-brasileira, o tradicional "Munguzá Cultural" e premiação dos trabalhos selecionados. 
A edição deste ano do festival faz referência aos 102 anos do Quebra de Xangô, episódio que atentou violentamente os terreiros de Maceió em 1912. O evento é realizado pelo Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore (MTB), em parceria com o Laboratório Antropologia Visual em Alagoas (Aval), ambos vinculados à Ufal. O festival é coordenado pela diretora do MTB e professora do Instituto de Ciências Sociais (ICS/Ufal), Fernanda Rechenberg, e pelos também professores do ICS, Siloé Amorim e Sílvia Aguiar.
O edital do festival, publicado em outubro, foi direcionado a produções fotográficas e fílmicas de abordagem antropológica, situadas em contextos de pesquisas etnográficas e produções de cunho documental sobre a cultura afro-brasileira. A comissão julgadora de fotografia é composta por Chistiano Barros Marinho, da Fundação Cultural Palmares (FCP), João Martinho Mendonça, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Siloé Amorim, da Ufal, e pelo fotógrafo e cineasta, Celso Brandão. 
Os filmes foram julgados pela comissão formada por Pedro Simonard, da Universidade Tiradentes (UNIT), Fernanda Martins, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Sandreana Melo, da Aval, e pelo ator e diretor teatral, Marco Antônio de Campos. 
Confira a programação completa:
Quarta-feira (26)
17h30 às 19h - Mostra de filmes
19h - “Munguzá Cultural” “Religiosidade de matriz africana”, com Pai Célio – Babá Omintoloji. Coordenação do “Munguzá”: Bruno César Cavalcanti (ICS/Ufal) 
Quinta-feira(27)
Das 9h às 12h - Mostra de filmes e fotografias.
15h - Debate “Museu e memória afro-brasileira”, com professor Álamo Pimentel, Centro de Educação (CEDU/Ufal) e Nonato Lopes (Museu Cultura Periférica). Coordenação do debate: museólogo Júlio César Chaves (MTB).
17h30 às 21h - Mostra de filmes. 
Sexta-feira(28)
9h às 12h - Mostra de filmes e fotografias.
15h - Debate “A câmera e as religiões afro-brasileiras: encontros e desencontros, desafios e perspectivas”, com Pedro Simonard (Universidade Tiradentes - UNIT), Larissa Fontes (Universidade Federal da Bahia - UFBA) e mãe Neide Oyá D’Oxum, yalorixá (Grupo União Espírita Santa Bárbara - GUESB). Coordenação do debate: Fernanda Rechenberg (MTB/ICS/Ufal).
Das 17h30 às 19h - Mostra de filmes.
19h - Premiação

Fonte: Ascom - MTB

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Barraca da Elisia - 20 anos difundindo a culinária afro



A baiana Elisia Santos anda exalando dendê de alegria por onde passa!

Há 20 anos ela veio para Maceió atrás de um sonho, conquistou uma clientela fiel e atrai turistas para a sua barraca instalada no shopping mais antigo de Alagoas. 

Todos os dias, são comercializados quitutes como o acarajé, abará, cocadas e o bobó de camarão. 

Ela também é frequentemente contratada para realizar coquetéis temáticos em eventos particulares, e ainda, é uma grande vencedora na categoria Gastronomia/Acarajé do Prêmio Espia (Blog do Carlito Lima), que busca enaltecer o trabalho de pessoas e grupos que realmente contribuem para a cultura alagoana durante o ano todo. 

A barraca funciona no Shopping Maceió localizado no bairro da Mangabeiras em Maceió(AL). De segunda a sábado das 10 às 22h, e no domingo das 15h às 21h. Saiba mais na página: https://www.facebook.com/OMELHORACARAJEDOMUNDO?fref=ts

Sucesso total! 

Jornalismo e igualdade racial

No dia 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra e de Zumbi dos Palmares –a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) encaminhou para todos os sindicatos filiados a carta da igualdade racial com o objetivo de reafirmar o compromisso relacionado à promoção da igualdade étnicorracial e de gênero.

Foram mencionados os princípios e propostas defendidas no I Encontro Nacional dos Jornalistas pela Igualdade Racial (I ENJIRA) – referendadas no 36º Congresso Nacional dos Jornalistas no mês de maio – e que precisam ser amplamente discutidas em todas as unidades sindicais para ampliar os avanços na luta pela visibilidade das questões étnicorraciais, a democracia e o combate do racismo. 

O documento assinado pelo presidente da instituição nacional, Celso Augusto Schröder, ressalta que: “Acordos internacionais, dos quais o Brasil é signatário, são absolutamente cristalinos no que diz respeito ao compromisso do Estado brasileiro, bem como de organismos e categorias profissionais, em superar o drama racial que ainda experimentamos como forma de alcançar, efetivamente, o desenvolvimento pleno capaz de consolidar a democracia”.

As representações dos(as) negros(as) e grupos historicamente discriminados no jornalismo e a destinação de verbas públicas para as mídias negras foram alguns dos temas que ordenaram as reflexões tecidas no I ENJIRA. Também ocorreu a reflexão sobre a existência de uma ditadura estética eurocêntrica na imprensa, a reduzida presença de jornalistas negros(as) nas redações e a necessidade de inclusão da temática étnicorracial no currículo das faculdades de jornalismo. 

Atualmente, em um universo de 31 sindicatos, são apenas oito grupos de jornalistas pela igualdade racial existentes e é preciso ampliar ainda mais! Axé!




Coluna Axé – 320ª edição – Jornal Tribuna Independente (25/11 a 01/12/2014) / COJIRA-AL / Editora: Helciane Angélica / Contato: cojira.al@gmail.com

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Arísia Barros será homenageada na Câmara dos Deputados


Cojira-AL completa sete anos de atuação



A Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial em Alagoas (Cojira-AL) é interligada ao Sindicato de Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal) e foi oficialmente instalada no dia 24 de novembro de 2007.
Trata-se do primeiro coletivo na região Nordeste a trabalhar as questões étnicorraciais no movimento sindical da categoria, tem como objetivos: promover a reflexão sobre a realidade da população afrobrasileira e o combate do racismo; divulgar as questões étnicorraciais; além de atuar na interlocução entre os segmentos afros e a mídia alagoana.
As ferramentas de trabalho são: o blog; a Coluna Axé publicada todas as terças-feiras no jornal Tribuna Independente; informes afros e o encarte especial Axé no dia 20 de novembro.
Essa é uma luta por jornalismo ético, que contribua para a transformação social e que respeite a diversidade étnicorracial, de credos e de gênero!

sábado, 22 de novembro de 2014

Maceió sediará Oficina de Dança Afro




As aulas serão realizadas no Espaço Coletivo AfroCaeté no bairro do Jaraguá pelo professorClemente Soares da Silva .

Clemente Soares da Silva (Tininho) nasceu em Belo Horizonte-MG, onde iniciou, estudou e se formou em dança. Formado pela Academia de Dança Afro Marlene Silva, chegou a Alagoas em 1985 e pouco depois fundou o Grupo Afro Imòlé Orún. O Imòlé Orún contribuiu na luta contra o preconceito e discriminação racial e por muito tempo disseminou os valores das nossas raízes afro-indígenas.

Trabalhando e contribuindo para a difusão da cultura afro desde 1970, Tininho mora atualmente no bairro Ipioca e desenvolve atividades pelo interior de Alagoas, principalmente junto as escolas públicas e comunidades quilombolas.

As aulas serão ritmadas por dois experientes percussionistas, os irmãos Sérgio e Sandro Santana.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Fenaj envia carta da igualdade racial para sindicatos filiados



Brasília, 19 de novembro de 2014.
Carta Circular nº 13/2014 – FENAJ                                   

Aos
Sindicatos Filiados
CC: Diretores da FENAJ e CNE.


20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra

Companheiros e companheiras,

Neste 20 de novembro, quando o Brasil celebra o Dia Nacional da Consciência Negra, a FENAJ reafirma o seu compromisso com os princípios e propostas da Carta da Igualdade de Maceió, resultado do I Encontro Nacional dos Jornalistas pela Igualdade Racial (I ENJIRA), referendada no 36º Congresso Nacional dos Jornalistas, e pede aos sindicatos o empenho na reflexão do tema para que possamos avançar na luta pela igualdade racial como fundamental para a democracia.

As representações dos (as) negros (as) e grupos historicamente discriminados no jornalismo e a destinação de verbas públicas para as mídias negras foram alguns dos temas que ordenaram as reflexões tecidas no I ENJIRA e nos estimularam a pensar no projeto de democracia que cimenta o desenvolvimento deste país. Durante o debate, também sublinhamos, enfaticamente, a existência de uma ditadura estética eurocêntrica na imprensa, a reduzida presença de jornalistas negros (as) nas redações e a necessidade de inclusão da temática étnico-racial no currículo das faculdades de jornalismo.

Tornou-se moeda corrente a afirmação de que a democracia, um dos motes do 36º Congresso, não se coaduna com racismo. Discutir a situação dos (as) jornalistas, do jornalismo e da democracia deve obrigatoriamente nos levar a assumir a superação do racismo brasileiro como nexo prioritário para o exercício do bom jornalismo, calcado nos princípios de transparência e de combate a toda sorte de desigualdades.

Não se põe mais em questionamento o fato de o Brasil ser um país marcadamente racista. Alguns indicadores não deixam dúvida: o nosso IDH fica na margem do 79º lugar no ranking mundial. Quando desagregamos essa posição por raça, a população negra fica no 114º lugar e a branca no 38º lugar.  Mulheres e homens negros permanecem ganhando menos que homens e mulheres brancas.  As altas taxas de extermínio da juventude negra, especialmente dos homens, são uma tragédia social. Alagoas, que sediou nosso 36º Congresso, é o estado que mais mata jovens negros no Brasil.

Como podemos, no território da atividade jornalística, promover a equidade e combater o racismo? Uma vez que o jornalismo é atividade que funda e não apenas relata a realidade, de que modo podemos transpor as assimetrias raciais nos sistemas de informação e nos regimes de visibilidade trazidos à superfície pelas notícias que manufaturamos cotidianamente?

Sabemos, igualmente, das profundas modificações nos processos de sociabilidade. Essas mudanças não são pensáveis sem o papel fundamental que as mídias desempenham na visibilidade do poder. A opinião pública se forma em parte graças ao que hoje chamamos de mídia.

Ora, se concordamos quanto a esse estatuto da mídia, em geral, e do jornalismo, em particular, constitui-se urgência política e um imperativo ético que a Federação Nacional dos Jornalistas e os sindicatos possam cada vez mais aprofundar o debate em torno das assimetrias raciais, com propostas exequíveis no campo de ação dos (as) jornalistas engajados (as) no combate à discriminação e ao racismo.  Temos 31 sindicatos e apenas 8 (oito) comissões de jornalistas pela igualdade racial, o que ainda é pouco em face da magnitude do racismo no tecido social. É preciso que a Federação e os sindicatos sejam indutores de políticas capazes de incidir sobre as desigualdades sociais com fundamento racial. Necessário se faz a reflexão em torno do imaginário que governa todos nós, negros (as) e brancos (as), e que não tenciona os papéis subalternizados sobrerepresentados em grupos raciais não hegemônicos. 

Acordos internacionais, dos quais o Brasil é signatário, são absolutamente cristalinos no que diz respeito ao compromisso do Estado brasileiro, bem como de organismos e categorias profissionais, em superar o drama racial que ainda experimentamos como forma de alcançar, efetivamente, o desenvolvimento pleno capaz de consolidar a democracia.

Reafirmamos neste Dia Nacional da Consciência Negra o nosso compromisso com a promoção da igualdade étnico-racial e de gênero, entendendo que os grupos historicamente discriminados tem o direito de desfrutar do binômio justiça e desenvolvimento.

Saudações sindicais,

Celso Augusto Schröder
Presidente

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Você viu o Davi?




Davi Silva é  um jovem pobre, preto, morador  de uma periferia longe e esquecida, na capital das Alagoas,  Maceió,  um canteiro de corpos insepultos. Maceió vive uma situação de extermínio, e  Davi está desaparecido.
Desapareceu depois de uma abordagem policial, no dia 25 de agosto, no bairro Benedito Bentes.
O bairro Benedito Bentes  construído, em 1986  e localizado na parte alta da cidade é considerado um dos  bairros, com maior índice de violência.O  bairro cresceu tanto que virou "uma cidade".Uma “cidade” inchada de vulnerabilidade para jovens pobres e pretos.
Dos 30.000 jovens vítimas de homicídios por ano, 77% são negros.
O Benedito Bentes é um território vulnerável! 
Foi no bairro Benedito Bentes  onde mora  e desapareceu Davi que  a então candidata a reeleição Dilma Roussef veio fazer campanha, no segundo turno, e com ela arrastou uma multidão de jovens que se emocionaram com a história da Dilma-vitima da ditadura.
Essa mesma multidão comovida com a história da presidenta, não  está nem aí para tortura da exclusão que sofre Davi. Davi é um produto socialmente descartável.  E,  a mãe dele um verdadeiro coração valente.
Davi  Silva é mais um na estatística dos invisíveis jovens desaparecidos pelo sopro selvagem  da violência normatizada, institucionaliza e consentida. Socialmente.
O Davi Silva das Alagoas é um Amarildo,  que desaparecido não provoca a comoção social. Se sumiu é naturalmente culpado- pensam muitos.
A taxa de homicídios de negros no Brasil é de 36 para cada 100 mil; para não negros, ela é de 15,2. Ou seja, para cada homicídio de não negro no país, 2,4 negros são assassinados. Em Alagoas, estado que encabeça a lista, o índice sobe para 17,4 negros mortos para cada não negro assassinado.
Gestor@s do Plano Juventude Viva, representações da juventude negra, os conselhos voltados à questão racial, em Maceió, AL silenciam-coniventes- diante  da sangria dos corpos mortos, expostos, desaparecidos.
É a história perversa do preconceito continua fazendo vitimas.
Onde está Davi? 

Show Rezando Alto no Teatro Deodoro


terça-feira, 18 de novembro de 2014

Saurê Palmares 2014




QUARTA-FEIRA (19.11.2014)

15h – Rota do Saurê, Centro (calçadão da Rua Boa Vista, proximidades da Igreja do
Livramento e em frente ao antigo Produbam)

Coco de Roda do Grupo Folclórico Ganga Zumba

Maracatu Raízes da Tradição

16h – Apresentações artísticas, Praça Palmares

16h – Oficinas e exposições, Praça Palmares

- Oficina Cabelo e Identidade, com Tamires Melo

- Oficina Mandala da Miscigenação, com Achiles Escobar

- Exposição ‘Águas de Oxalá, Caminhos da Transformação’

- Feira de comidas típicas, acessórios, roupas de capoeira e instrumentos musicais, produtos

artesanais, esculturas e expressões plásticas


PROGRAMAÇÃO PARALELA COM O APOIO DA PREFEITURA

DE 10 A 20 DE NOVEMBRO

Das 8h às 17h – Exposição ‘Autorretrato Nordeste – Quilombos de Alagoas’, no Espaço

Cultural Trilhos Urbanos da Estação Ferroviária do Centro de Maceió

18h – Rodas simultâneas de capoeira com grupos da Federação Alagoana de Capoeira (FALC)

- Praça Santa Tereza, Vergel

- Praça da Faculdade, Centro

- Praça do Conjunto João Sampaio (em frente ao mercadinho Flor do Bairro)

- Praça Mirante Novo, Jacintinho

- Praça 13 de Maio, Poço

- Praça Nossa Senhora de Fátima, Feitosa

- Praça de Eventos Margarida Procópio, Forene

- Praça Multieventos, Pajuçara

- Praça Sexto Gomes, Conjunto José Da Silva Peixoto, Jacintinho


19h – Rodas simultâneas de capoeira com grupos da Federação de Capoeira do Estado de

- Praça Padre Cícero, Benedito Bentes

- Praça Mirante Novo, Jacintinho

- Praça Graciliano Ramos, Centro

- Praça Rui Palmeira (base comunitária da PM)

- Praça do Conjunto Osmam Loureiro

- Escola Jayme de Altavila, Santa Lucia

- Praça Central do Ouro Preto

- Praça do Conjunto Dubeaux Leão

- Quadra do Salvador Lira



DE 17 A 19 DE NOVEMBRO

Todo o dia – ‘Fórum Mestre Zumba 2014’, atividades diversas na Reitoria da Ufal, Espaço Cultural da Ufal, Centro de Belas Artes de Alagoas (Cenarte) e Museu da Imagem e do Som (Misa). Programação completa no site http://www.mestrezumbaforum.blogspot.com.br/ .

Todo o dia – Grupos culturais e religiosos de matriz africana participam das celebrações pelo
Dia da Consciência Negra, na Serra da Barriga, em União do Palmares.

9h – Roda de conversa ‘Roda de Memória – Menino quem foi seu mestre?’, com grupos da Federação Alagoana de Capoeira (FALC), no Museu da Imagem e do Som (Misa), Jaraguá.

16h – Aulão recreativo de capoeira com grupos da Federação Alagoana de Capoeira (FALC), Praça Multieventos, Pajuçara.


Fonte: Ascom /FMAC
(82) 3336.2357 / 8882.8353 

Programação afrocultural

Chegamos à semana da consciência negra, onde as atividades voltadas à exaltação da cultura afrobrasileira, encontros de formação e reflexão social se intensificam em todo o país.

A Prefeitura de Maceió através da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC) realizará nessa quarta-feira (19), a segunda edição do projeto Saurê Palmares. A programação iniciará às 15h, com a Rota do Saurê, Centro (calçadão da Rua Boa Vista, proximidades da Igreja do Livramento e em frente ao antigo Produbam), com a participação da Banda Afrodara, Banda Afro Afoxé, Afoxé Ofá Omin, Grupo Ginga Terapia, Coco de Roda do Grupo Folclórico Ganga Zumba, Maracatu Raízes da Tradição. E às 16h, as apresentações artísticas continuam na Praça Palmares com: Orquestra de Tambores, Toni Edson, Banda Afro Mandela, Grupo Afoxé Odô Iyá e Chico César. 

Também estão previstas: oficina Cabelo e Identidade (Tamires Melo), oficina Mandala da Miscigenação (Achiles Escobar), exposição “Águas de Oxalá, Caminhos da Transformação”; exposição de cordéis, feira de comidas típicas, acessórios, roupas de capoeira e instrumentos musicais, produtos artesanais, esculturas e expressões plásticas.

Já em União dos Palmares, de 18 a 20 de novembro, as ações acontecerão no centro da cidade, na comunidade remanescente de quilombo Muquém, no Parque Memorial Quilombo dos Palmares localizado no platô da Serra da Barriga. Estão previstos o escambo cultural no auditório da prefeitura sempre às 14h, rodas de diálogo sobre “Protagonismo da Juventude Negra na cultura” e “Políticas Públicas e Tradições Culturais – Mestres da Cultura”; e ainda, as oficinas de jongo, dança afro, turbante, afro cantos e afro contos para os moradores de Muquém.

E no Espaço Zezito Araújo (Quadra de Esporte) às 18h, terá a resistência negra em cortejo com o desfile de grupos tradicionais e apresentações. Já no palco Abdias Nascimento acontecerão os shows a partir das 19h, com grupos locais e atrações nacionais como Olodum (18) e a banda de samba Fundo de Quintal (20). 

É programação para todos os gostos e atitudes, mas, o pertencimento étnico tem que ser todos os dias! Axé!


Coluna Axé – 319ª edição – Jornal Tribuna Independente (18 a 24/11/2014) / COJIRA-AL / Editora: Helciane Angélica / Contato: cojira.al@gmail.com

Debate sobre a rota da Capoeira

O Seminário Rota da Capoeira acontece nos dias 18 e 19 de novembro com objetivo de aprofundar o debate sobre o tema

Discutir a promoção e preservação da roda e dos mestres tradicionais de capoeira de Alagoas. Esse é o principal objetivo do Seminário Rota de Capoeira Palmares que levará para Maceió e União dos Palmares/ AL, nos dias 18 e 19 de novembro, importantes representantes dessa expressão que mistura arte marcial, esporte, cultura popular e música. O evento faz parte da programação que a Fundação Cultural Palmares (FCP – MinC) preparou para as comemorações para o 20 de novembro – Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra.

Na noite do dia 18 de novembro o presidente do Grupo de Capoeira Angola Pelourinho (GCAP), Mestre Moraes, e a representante do grupo Ilé Axé Legioniré Nitó Xoroqué, Mônica Carvalho, participam de um debate sobre as raízes culturais que influenciaram a capoeira, na mesa “Roda de Sotaque Candomblé, Capoeira e Samba: Um giro pela história e cultura negra no Brasil”.

A regulamentação do profissional da Capoeira também ganhará espaço. No dia 19/11, haverá um debate dedicado sobre os caminhos para a conquista de direitos e proteção dos fundamentos essenciais da capoeira. Participam do evento o jornalista e especialista em Educação e Relações Étnico-Raciais, Paulo Andrade Magalhães Filho, o representante Federação Alagoana de Capoeira e do Conselho Estadual de Capoeira de Alagoas, Severino Claudio Figueiredo Leite (Mestre Cláudio) e o membro da Associação Muzenza de Capoeira, Marcelo José dos S. Cardoso (Mestre Girafa).

O diretor do Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro da Fundação Palmares, Alexandro Reis será o mediador das atividades. “A Fundação Palmares entende que não se pode abrir mão da participação e do protagonismo do capoeirista como principal responsável pela disseminação dessa manifestação cultural. Reconhecemos também a capoeira como meio estratégico de promoção do Brasil no mundo. Por esse motivo o seminário se mostra extremamente importante e de uma riqueza de conteúdo essencial”, afirma.

Confira a programação

18 de novembro

Local: Superintendência do IPHAN/AL – Rua Sá e Albuquerque, nº 157 – Jaraguá – Maceió/AL
Horário: 17h às 21h

Roda de Sotaque Candomblé, Capoeira e Samba: Um giro pela história e cultura negra no Brasil

Expositores:

Pedro Moraes Trindade (Mestre Moraes) – Presidente do Grupo de Capoeira Angola Pelourinho (GCAP)
Célio Rodrigues – Babalorixá da Casa de Iemanjá
Mediadora: Greiciene Lopes – Professora da Universidade Federal de Alagoas e Técnica do IPHAN/AL

19 de novembro

Local: Espaço Cultura Acotirene (ESCA) – Rua Coronel Bezerra Montenegro, Nº 215 – Centro – União dos Palmares/AL
Horário: 13h às 16h

Roda de Sotaque Regulamentação do Profissional da Capoeira: Rumo e caminhos da conquista de direitos e proteção dos fundamentos essenciais da capoeira

Expositores:

Paulo Andrade Magalhães Filho – Jornalista e Especialista em Educação e Relações Étnico-Raciais
Severino Claudio Figueiredo Leite (Mestre Cláudio) – Membro da Federação Alagoana de Capoeira e do Conselho Estadual de Capoeira de Alagoas.
Marcelo José dos S. Cardoso (Mestre Girafa) – Membro da Associação Muzenza de Capoeira
Mediador: Alexandro Reis – Diretor da Fundação Cultural Palmares – MinC


Fonte: Ascom/Fundação Cultural Palmares

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

IV Senzala Fest em Maceió


Filme “Independência Africana” é destaque da programação em Maceió/AL

A exibição do documentário de Tukufu Zuberi acontece no dia 17 de novembro, na Reitoria da UFAL

As comemorações pelo Mês da Consciência Negra levam para Maceió/AL uma programação repleta de atividades especiais.  Além das atividades em no Parque Memorial Quilombo dos Palmares, na Serra da Barriga, União dos Palmares/AL, no dia 17 de novembro, acontece a exibição do documentário “Independência Africana” no dia 17 de novembro. O filme é dirigido pelo cineasta americano Tukufu Zuberi, que após a mostra, participa de um bate-papo com os presentes na Reitoria da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

O documentário trata dos problemas enfrentados para a conquista da independência africana. Ele apresenta a história do continente, sob a perspectiva de eventos como a segunda guerra mundial e o fim do colonialismo, e mostra as repúblicas africanas atuais.

A coordenadora do Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Negra (CNIRC) da FCP - MinC, Joselina da Silva e afirma que “a exibição do filme será uma verdadeira aula sobre a História da África e de como os africanos lidaram com as adversidades que resultaram na sua independência”.

Tukufu Zuberi – Nascido em 26 de abril de 1959, na Califórnia/EUA, Tukufu Zuberi é sociólogo, cineasta, crítico social, educador e escritor. Atualmente é chefe do Departamento de Sociologia da Universidade da Pennsylvania e líder no Centro de Estudos Africanos da instituição.
Zuberi liderou o Projeto de Análise de Censo Africano (ACAP), iniciado pelas Nações Unidas com o intuito de avançar no mapeamento de enumeração do censo na África. Como fundador de sua própria companhia ele produziu o filme African Independence, que estreou no San Diego Black Film Festival, em janeiro de 2013.

Serviço
Exibição do filme “Independência Africana”
Quando: 17 de novembro
Onde: 
Reitoria da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) Endereço:    Av. Lourival Melo Mota, s/n. Tabuleiro dos Martins.  Maceió – AL
Horário: 
17h

Contatos para imprensa: Mara Karina
Tel: (61) 9831-0215


Fonte: Ascom/Fundação Cultural Palmares

Antropólogo da USP profere palestra sobre diversidade na prática docente em Alagoas

Evento organizado pela SEE, com o apoio da Ufal, Cesmac e Uneal, faz parte da Semana da Consciência Negra de 2014

Antropólogo da USP profere palestra sobre diversidade na prática docente em Alagoas
Antropólogo africano vai abordar o tema “O desafio do ensino da diversidade na prática docente”
Texto: Ricardo Rodrigues
Foto: Rafael Cusato

O professor de Antropologia da Universidade de São Paulo (USP) Kabengele Munanga será o principal palestrante da Semana da Consciência Negra de 2014 de evento em organizado pela Secretaria de Estado da Educação e do Esporte de Alagoas (SEE), por meio da Gerência de Diversidade (Gediv). O evento tem o apoio do Curso de História do Cesmac e do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neaf) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).
De acordo com a programação oficial, o antropólogo africano radicado no Brasil vai abordar o tema “O desafio do ensino da diversidade na prática docente” em pelo menos três palestras em Alagoas, entre os dias 17 e 18 de novembro. Na programação, o professor Munanga profere duas palestras em Maceió, no dia 17 deste mês: uma das 14 às 16 horas, no Auditório da Reitoiria da Ufal, no Campus do Tabuleiro; e outra das 19 às 21 horas no auditório do Cesmac, da Rua Cônego Machado, no Farol.
Já no dia 18, a palestra será em Arapiraca, no auditório da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), das 19 às 21h. A professora Irani Neves, técnica da Gerência de Diversidade da SEE, destaca a importância das palestras do professor Munanga. “A palestra dele é uma excelente oportunidade para os educadores que desejam debater o preconceito no ambiente escolar”, destacou Irani. “Por isso, essas palestras são voltadas para os professores da rede pública de ensino”, acrescentou.
Biografia – Nascido no antigo Zaire, atual República Democrática do Congo, em 1942, Kabengele Munanga é graduado em Antropologia Cultural pela Universidade Oficial do Congo (1969) e doutorado em Ciências Sociais (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (USP) em 1977, atuou muito anos como professor Titular da USP, onde se aposentou recentemente após 32 anos dedicados à vida acadêmica.
Na área de Antropologia, tem dado ênfase aos estudos em Antropologia das Populações Afro-Brasileiras, atuando principalmente nos seguintes temas: racismo, identidade, identidade negra, África e Brasil.
Defensor do sistema de cotas nas universidades, o professor Munanga é um dos grandes expositores do tema e um dos principais assessores das instituições que planejam adotar o sistema. Nas entrevistas que tem concedido à imprensa, o acadêmico aponta sempre os avanços e erros cometidos pelo Brasil na tentativa de se tornar um país mais igualitário e democrático do ponto de vista racial.

Fonte: Ascom/SEE

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Programação - Semana da Consciência Negra

MACEIÓ - ALAGOAS
14 DE NOVEMBRO - AUDITÓRIO DO MISA (JARAGUÁ)
Seminário de Fomento à Cultura Afro-Brasileira
DIA 17 DE NOVEMBRO - Auditório da Reitoria da UFAL
Exibição do Filme African Independence, do cineasta Tukufu Zuberi (Forum Mestre Zumba)


UNIÃO DOS PALMARES - ALAGOAS
Manhã
Dia 15 de Novembro - Serra da Barriga
10:00h Oficina de Percussão com Naná Vasconcelos

ESCAMBO CULTURAL
Auditório da Prefeitura
18 de Novembro
14:00h Roda de Dialogo: Protagonismo da Juventude Negra na Cultura - Zulu Fernandes (União DMC's), Denis Angola e Rogério Dias (Articuladores do Plano Juventude Viva em Alagoas), Janaina Martins (Cantora), Claudemir do Reggae (Quilombo Muquém), Lua Tavares (Capoeirista), Gustavo Gomes (Professor da UFAL), Luiz de Assis (Vibrações).

ESPAÇO ZEZITO ARAÚJO (Quadra de Esporte) - RESISTÊNCIA NEGRA EM CORTEJO: DESFILE DE GRUPOS TRADICIONAIS
18 de Novembro - Apartir de 18:00h
Dança do Muquém (ADAPO)
Samba de Coco
Coco do Alto do Cruzeiro
Dança e Teatro Afro Aiê Orum
Dança Afro Resistência
Afoxé Ofa Omim (Ilé Axé Ofá Omim)
Coco de Roda Esperança
Maracatu Raizes da Tradição (Abassá de Angola de Oya Igbalé)
Afoxé Povo de Exú (Ilé Axé Legionirê Nito Xoroquê)
Civilização Negra
Afro Mandela
Coletivo AfroCaeté
Afoxé Oju Omin Omorewá
Auditório da Prefeitura

19 de Novembro
14:00h Roda de Dialogo: Politicas Publicas e Tradições Culturais - Mestres da Cultura: Ivo de Xambá (Quilombo Urbano do Xambá), Edson (Edinho) e Seu Laelson (Quilombo Muquém), Mãe Neide Oyá d'Oxum (Matriz Africana), Bié (Comunidade Quilombola Mumbaça) e Genilda (Comunidade Quilombola Carrasco).

19 de Novembro
RESISTÊNCIA NEGRA EM CORTEJO: DESFILE DE GRUPOS TRADICIONAIS
A partir de 18:00h
Dança Afro do Quilombo Muquém
Dança Afro Ilê Dandara
Coco do Muquém
Reggea da Comunidade Quilombola do Muquém
Grupo Raízes Africanas
Baque Alagoano
Afoxé Alafin Oyó (PE)
Maracatodos
Afoxé Ara Odé (PE)
Afro Gurumgumba
Afro Nação Dandara

QUILOMBO DO MUQUÉM - UNIÃO DOS PALMARES
18 de Novembro
ESCAMBO CULTURAL
MANHÃ
Boas Vindas
09:00h
Projeto Inaê
Jongo Dhito Ribeiro
TARDE
14:00h
OFICINA: Jongo Dhito Ribeiro
OFICINA: Projeto Inaê(Dança Afro)

Dia 19 de Novembro
MANHÃ
OFICINA:Turbante (Makota Kizandembo)
OFICINA: Projeto Inaê(Dança Afro)
TARDE
Afro Cantos Afro Contos (Toni Edson)
HORA


PALCO ABDIAS NASCIMENTO
18 DE NOVEMBRO
19:00h Posse Atitude Periférica
20:00h Rogério Dyas e Banda
21:00h União DMC's
22:00h Zeza do Coco e Banda
23:00h Olodum (BA)

19 DE NOVEMBRO
19:00h Love Jah
20:00h Banda Raízes de Zumbi
21:00h Nação Palmares
22:00h Negra Pyll, Davi 2P, Magojow (Rap)
23:00h Quilombola de Zion
00:00h Vibrações e Convidados: George/N'Zambi (PE), Serginho/Adão Negro (BA), Boby CH (AL) e Robison Lira/Ato Libertario (SE).

20 DE NOVEMBRO - DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA
18:00h Cortejo - Afoxé Odô Iyá
19:00h Orquestra de Tambores de Alagoas
20:00h Luana Costa e Banda 7 Flexas
21:00h Igbonan Rocha - Samba de Bambas
22:00h Samba de Alagoas (Gustavo Gomes, Janaina Martins e Mel Nascimento )
23:00h Fundo de Quintal (RJ)


Fonte: Fundação Cultural Palmares - AL

Seminário sobre promoção da saúde da população negra


quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Professor Tininho ministra oficina de dança afro

O coreógrafo Clemente Soares, popularmente conhecido como Tininho, é um dos pioneiros na realização de ações que valorizam a dança afro em Alagoas. Ele tem se destacado pelo trabalho desenvolvido em escolas públicas, comunidades quilombolas e com jovens de periferia.


quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Festa do Ijexá


6° VIVA ZUMBI

Nos dias 14, 15 e 16 do mês de novembro terá o 6° VIVA ZUMBI - Palmares 2014 e 1° INTERCÂMBIO CULTURAL. Com certificado! Contatos: (82) 9107-6727 ou (82) 9646-6284. 



terça-feira, 11 de novembro de 2014

Nesse domingo tem Encrespa Geral em Maceió

Foto: Carlos Davi Ribeiro
Nesse domingo (16.11) das 9 às 14h, na Praça Centenário no bairro do Farol em Maceió, terá a terceira edição do Encrespa Geral Maceió. 

É um projeto de ação social que busca a reflexão sobre a cabeleira crespa/ondulada/cacheada não como modismo, e sim, identidade, reflexo do autoconhecimento e valorização da autoestima. 

Na cidade de Maceió, a atividade é coordenada por Tamires Melo, que tem investido na conscientização e embelezamento afro, através de consultorias e atendimento em domicílio. 

O evento também é realizado em outras 20 cidades brasileiras, além da Irlanda, Inglaterra e Austrália. Confira a programação local:


Autorretrato Nordeste

O Autorretrato Nordeste é um projeto de arte visual que envolve fotografia, cultura e novas tecnologias. A terceira edição denominada “Quilombos de Alagoas” é uma realização da produtora Atitude Gestão de Ideias e foi a ganhadora do prêmio Artes Negras da Fundação Nacional de Arte (Funarte), que é um órgão vinculado ao Ministério da Cultura. 

Ao longo desse ano, tornou-se um mecanismo importante na inclusão midiática, estímulo para a prática da memória documental, para a valorização das manifestações culturais e expressões folclóricas, além de fortalecer a identidade negra alagoana. 

Foram realizadas oficinas gratuitas e mostras fotográficas em comunidades remanescentes de quilombo de Alagoas: Bom Despacho (Passo de Camaragibe), Palmeira dos Negros (Igreja Nova), Cajá dos Negros (Batalha) e Sabalangá (Viçosa). 

Agora, é o momento de conferir os resultados desse trabalho transformador em uma grande exposição fotográfica, com cenas captadas pelos adolescentes dessas localidades, além de cartões-postais e um catálogo fotográfico. 

Cerca de cem fotografias estarão espalhadas em grandes painéis de 10 a 20 de novembro, das 8h às 17 horas, no Espaço Cultural Trilhos Urbanos da Estação Ferroviária do Centro de Maceió, da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Sem dúvidas, essa é uma ação ousada, com um potencial incrível e merece ser prestigiada. 

Também é um grande presente no mês da consciência negra, o período onde exaltamos a importância da história e cultura afro-brasileira, e o momento de reforçar que os quilombolas não são descendentes de escravos, e sim, de guerreiros e guerreiras que lutaram bravamente por liberdade e justiça. 

Acompanhe a página do projeto no facebook e acesse o site para mais informações: http://www.retratonordeste.com/. Entrada gratuita!


Fonte: Coluna Axé – 318ª edição – Jornal Tribuna Independente (11 a 17/11/2014) / COJIRA-AL / Editora: Helciane Angélica / Contato: cojira.al@gmail.com

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Novembro afro

O mês da consciência negra chegou, e com ele, proliferam-se em várias partes do país, as ações sociopolíticas, apresentações culturais e eventos de formação em alusão ao 20 de novembro: Dia Nacional da Consciência Negra e Dia de Zumbi dos Palmares (heroi nacional e líder da resistência negra). 

Atualmente, estima-se que 1047 cidades brasileiras já decretaram feriado nessa data, e no Estado de Alagoas a determinação deve ser cumprida conforme a Lei Estadual Nº 5.724, de 01.08.1995. Durante todo o mês, várias atividades serão realizadas em instituições de ensino, nas casas de axé, praças públicas e nas sedes de organizações que combatem o racismo e outras formas de opressão. 

A Fundação Cultural Palmares (FCP/MinC) está apoiando uma ampla programação no período de 15 a 20 de novembro em Alagoas, que divide-se entre a cidade de Maceió, a comunidade remanescente de Quilombo Muquém e o Parque Memorial Quilombo dos Palmares/Serra da Barriga em União dos Palmares. 

Terá o seminário de Fomento à Cultura Afro-brasileira e Saúde da População Negra; Feira do Livro; Edição especial do Escambo Cultural; oficina de percussão com Nana Vasconcelos; oficinas de hip hop; a Cavalgada da Liberdade; a exposição “Centenários Negros e Personalidades Negras de Alagoas”; homenagem aos capoeiristas de Alagoas; entrega de certificações de comunidades quilombolas; o Cortejo Issegum Caojubá; o Tributo ao centenário de Abdias Nascimento com o grupo de samba Fundo de Quintal, além de apresentações de grupos culturais e artistas locais. 

Esse é um importante período para celebrar a herança afrocultural e fortalecer a luta por justiça social e igualdade racial. Mas, a negritude e o pertencimento étnico tem que ser todo dia!


Fonte: Coluna Axé – 317ª edição – Jornal Tribuna Independente (04 a 10/11/2014) / Cojira-AL / Editora: Helciane Angélica / Contato: cojira.al@gmail.com

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Feceal promove rodas de capoeira simultâneas

A Federação de Capoeira do Estado de Alagoas (Feceal) promove em todos os sábados de novembro, a partir das 19h, rodas simultâneas em praças e comunidades de Maceió. A atividade é aberta ao público. Prestigie!

domingo, 2 de novembro de 2014

Fundação Palmares lança programação para o Mês da Consciência Negra, em Alagoas

A Fundação Cultural Palmares (FCP/MinC) reservou para as comemorações do dia 20 de novembro – Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, uma programação repleta de homenagens, atividades e atrações especiais. De 15 a 20 de novembro, Alagoas receberá diversas ações que acontecerão em Maceió/AL, no Quilombo do Muquém e no Parque Memorial Quilombo dos Palmares, localizado na Serra da Barriga, em União dos Palmares/AL.
Consciência Negra - Para celebrar a data mais importante do calendário negro brasileiro, a Fundação Palmares reserva o mês de novembro para lembrar a importância de Zumbi dos Palmares, herói nacional e ícone da resistência negra à escravidão. É também considerado o momento principal de reflexão sobre o papel dos negros e negras na construção do país. As comemorações também homenagearão o centenário do dramaturgo, poeta e pintor Abdias Nascimento.
A programação inclui atividades como: Seminário de Fomento à Cultura Afro-brasileira e Saúde da População Negra; Feira do Livro; apresentações culturais diversas; Edição especial do Escambo Cultural; oficina de percussão com Nana Vasconcelos e um show de Tributo a Abdias Nascimento com o grupo de samba Fundo de Quintal e outros artistas.
Parque Memorial Quilombo dos Palmares – O único parque temático sobre a cultura negra na América Latina, criado em 2007, numa área tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), onde há 300 anos se consolidou o Quilombo dos Palmares, liderado por Zumbi dos Palmares, herói nacional, ícone da resistência negra brasileira ao processo de escravização do país. Em 2012 as cinzas  de Abdias Nascimento foram depositadas ao pé de uma muda de baobá no local.
Confira e programe-se!
(Programação sujeita a alterações)